sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Carta Cidadã

São Bernardo Do Campo , 24 de novembro de 2009


Presado Prefeito Marinho .

Sou Victor Hugo, e venho através desta carta cidadã representado meu pai e pela minha mãe .
Estou fazendo um trabalho de aprendizado da democracia e procurando entender o calor do ato e da participação cidadã.
Na escola onde estudo (E.E Pedra de Carvalho) fizemos uma eleição para distinguir o problema mais grave em nossa escola.
Para melhorar o desenpenho dos alunos foi proposto: A colocação de ventiladores nas salas para ficar mais arejada e principalmente refeição para todas as séries.
Todas as manhãs os alunos passam muito calor com a falta de ventilação dentro da sala.
Em relação às refeições apenas as 8ª séries tem direito de comer sendo que todos alunos sentem fome e alguns não tem tempo de ir para casa e vão para outros cursos e ou para o trabalho com fome .
Espero que não tarde em me responder , dando uma solução para o problema escolhido por nós estudantes,
Sei que seu cargo traz muitas preocupações, mas nossa reivindicação faz parte do exercício da cidadania.


Atenciosamente,

Victor Hugo
______________________________

Aluno do 3ºB do ensino médio.
E.E Pedra de Carvalho

Reivindicação dos alunos

São Bernardo do campo 9 de novembro de 2009.
Sou Alex Teixeira Simão, titulo de eleitor número 753484.
Venho através desta carta cidadã fazer uma reclamação. Na escola onde estudo (Pedra de Carvalho) a tubulação de esgoto do refeitório está entupida ha mais de duas semanas. Sendo assim , estamos sem almoço esse tempo todo.
Muitas pessoas aqui do Pedra de Carvalho dependem do almoço porque não tem tempo de almoçar em casa pra ir pro trabalho ou a outros cursos. Espero que resolvam logo esse problema , porque muitas pessoas dependem disso. Alex teixeira Simão

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Comentários sobre o Artigo dos 20 anos da Vila LULALDO

Comentários sobre o artigo dos 20 anos da VILA LULALDO.

1-Aldo, meu santo! A história se faz na luta, e disso eu sei que você entende. Onde quer que esteja. Os lutadores não cansam, ainda que envelheçam! E esses são poucos. Que bom que eu tenho um amigo assim. Um beijo grande.
Ana Valim

2-Boa tarde, Aldo! Fica seu depoimento para meu arquivo e minha reflexão.
Depois vc. me escreve para informar como ficou a regularização fundiária. Houve algum acordo? Como que a Justiça, no sentido institucional da palavra, se pronunciou? Abraços.
Prof. Luis.

3-Que história emocionante companheiro, esse povo tem no sangue a bravura de Antonio Conselheiro, Zumbi dos Palmares e tantos outros. Infelizmente, ainda falta muito para conquistarem o respeito por parte dos que governam o nosso município, mas todo apoio aos moradores da Vila LulAldo, parabéns aos companheiros que ficaram do lado dos oprimidos.
Abraço.
Teotônio ex-conselheiro da Apeoesp-SBC.

VILA LULALDO: 20 ANOS DE LUTA, RESISTÊNCIA E CONQUISTA.
No dia 03 de Dezembro de 2009, os moradores da Vila Lulaldo comemoraram 20 anos de luta, resistência e conquista, por ocasião da ocupação que chocou o conservadorismo da cidade de São Bernardo do Campo. Essa é uma conquista definitiva, um exemplo concreto de quem luta conquista e, que, quando o poder público não responde as demandas sociais, o povo constrói suas alternativas em busca de uma vida melhor.
Precisamente, 20 anos atrás, eu estava em casa quando recebi um telefonema do companheiro Taná (assessor político do nosso gabinete) dizendo que a “festa” seria a noite e que eu estava convocado.
Compareci no horário combinado, juntamente com outros assessores do gabinete.
Acompanhei passo-a-passo toda a movimentação, como a medida dos terrenos (feita com um barbante), a definição das ruas e o operativo para a transferência de parte moradores da Vila Jurubeba para o terreno que ficava ao lado do Jardim Jussara.
Iniciada a ocupação, por volta da meia noite erguemos o primeiro barraco (da Emília) que passou a ser uma espécie de Central da ocupação. A Emília estava doente e frágil, mas não faltava valentia, coragem e determinação, pois todos estavam convictos de que era preferível lutar até as últimas conseqüências, do que morrer soterrados nos morros da Vila Jurubeba.
Para passar a noite, ela (Emilia)fazia um café forte, e,de vez em quando tomávamos uma talagada de cachaça para animar e suportar as dificuldades e o cansaço que por vezes tomava conta das pessoas.
Existia uma sensação de felicidade e medo entre os ocupantes. Felicidade porque estavam saindo de uma área (Vila Jurubeba) que estava prestes a desmoronar. O medo era sobre o que poderia acontecer com a repressão policial, com a reação da Administração do Prefeito Mauricio Soares e a voracidade especulativa do proprietário da área, Sergio Canastreli.
Lembro-me do Agenor, da Emília, do Taná, do Barba e tantos outros (as) que heroicamente lideraram aquela vitoriosa ocupação.
Essa ocupação aconteceu em decorrência da total omissão do poder público (na época, o prefeito era o Dr. Mauricio Soares do PT), uma vez que partes dos moradores já estavam alojados na sede social do Jardim Jussara, inclusive, com parte das casas danificadas pela ocorrência de chuvas, ventanias e tempestades.
A ocupação de um novo local foi a única saída encontrada pelos moradores. Portanto, essa ocupação tinha o propósito claro e objetivos definidos: ocupar, resistir, construir e conquistar.
No dia 4 de dezembro, logo cedo dividimos as tarefas: um grupo fazia a transferência dos barracos, outros mediam os terrenos, outros buscavam alimentação e outros buscavam apoio político para resistir na área ocupada.
A imprensa fez um estardalhaço e a polícia também estava por perto. Na cidade era um comentário só. Desde o início apoiei a ocupação, depois, o subprefeito Chicão também passou a apoiar deliberadamente os moradores.
O Executivo endureceu com o movimento a tal ponto que o prefeito Maurício Soares e seu Vice- Djalma Bom demitiram o subprefeito do distrito do Riacho Grande. Convém salientar que o companheiro Chicão foi eleito pelo voto popular dos moradores do Riacho Grande.
A bancada de vereadores do PT, em 1989, condenou o nosso apoio à ocupação e o partido se reuniu para discutir a minha participação nessa ocupação. Uns defendiam o meu afastamento do partido, outros defendiam a perda do mandato de vereador, mas em nenhum momento tive dúvida da necessidade daquela ação e do nosso irrestrito apoio a população carente e abandonada pelos sucessivos prefeitos desta cidade.
Lembro-me dos freqüentes discursos conclamando os moradores a resistir, pois a história dos trabalhadores deveria ser escrita pelos próprios trabalhadores e que a nossa atuação, também, era a história viva que estávamos escrevendo. Numa Assembleia foi pautado o debate sobre o nome da Vila e das ruas. Mesmo com dificuldades respiratórias, a companheira Emília levantou a mão e pediu a palavra, apresentando sua proposta de nome.
Após justificar sua proposta afirmou: “A nossa Vila deve receber o nome dos nossos Lutadores que todos conhecemos”. Todos ficaram em silêncio. Ela então complementou: “Minha proposta é que nossa Vila Tenha o nome de VILA LULALDO, em homenagem ao LULA e ao Aldo, pois o LULA é um grande lutador e nos representa no Brasil inteiro e o Vereador ALDO SANTOS é quem nos apóia e está com a gente dia e noite aqui no terreno”. Todos aplaudiram. Após a votação dos vários nomes, a proposta vencedora foi a proposta apresentada pela guerreira Emília Belomo.
A denominação foi objeto de grande repercussão e destaque na grande imprensa, pois a homenagem aprovada pela assembleia dos moradores, durante muito tempo e até nos dias atuais, ainda, é vítima de preconceito dos políticos reacionários que não respeitam a história dos pobres e a soberania popular.
Nas assembleias, várias lideranças populares usavam a palavra para expressar a solidariedade de classe, como o Tonhão, Dagmar, Geraldo, Boni e outros.
A resistência dos moradores foi grande: com a realização de assembleias permanentes, atos, passeatas, fechamento da Via Anchieta e todas as formas de lutas necessárias para garantir a fixação dos moradores na área ocupada.
Foi uma luta acertada e VITORIOSA, pois os moradores estão lá até hoje muito bem e obrigado. No início era um sonho que aos poucos se transformou em realidade e hoje existe uma cidade, onde convivem aproximadamente 400 famílias, livres do temor do soterramento, do aluguel, e das ameaças de reintegração de posse.
Recentemente tentaram leiloar a área, mas, na prática, essa área pertence aos moradores que não abrem mão de sua luta, sua história e da conquista consolidada ao longo desses 20 anos de “vida nova”.
Exigimos que o Prefeito Luiz Marinho, amigo inseparável do Presidente LULA, faça a imediata regularização fundiária da vila sem custos para os moradores, bem como deve urgentemente viabilizar as melhorias necessárias, como: guias, sarjetas, asfalto, iluminação pública, creches, Unidade Básica de Saúde e outras.
Vila LULALDO, uma história marcada por bravura, consciência política e determinação dos moradores que ocuparam, lutaram, resistiram e construíram sonhos e vidas como protótipo de uma nova realidade social.
Todas as ocupações que ocorreram no município, na verdade, apontam para a inoperância do poder público, que não apresenta política habitacional capaz de responder previamente a demanda da população empobrecida.
Nesse sentido, quando o poder público não resolve, o povo organizado aponta o caminho e a solução para responder ao déficit habitacional que em nossa cidade é de aproximadamente 60 mil moradias.
Parabéns aos moradores da jovem Vila Lulaldo, que têm muita história a contar para as novas e futuras gerações, ao mesmo tempo em que essa luta representa um grande farol político na resistência e transformação social rumo à construção de uma nova sociedade, justa, igualitária e Socialista.
OCUPAR, CONSTRUIR, RESISTIR E CONQUISTAR É PRECISO!!!

Aldo Santos
Sindicalista, Coordenador da Corrente política TLS, Presidente da Associação dos professores de filosofia do Estado de São Paulo, membro do Diretório Nacional e da Executiva Estadual do Psol (03/12//09)


domingo, 22 de novembro de 2009

DECRETO SIMBOLIZA ILHAS DE PRECONCEITO NO ESTADO

Decreto simboliza ilhas de Preconceito no Estado .

No dia 20 de novembro de 2009, será feriado em dezenas de municípios do Brasil inteiro, fruto do movimento organizado e da consciência da tragédia da escravidão perpetrada contra os negros no mundo inteiro , e em particular na América.
O governo do Estado de São Paulo publica no diário oficial o Decreto 55.012 de 10/11/09, onde “Suspende o expediente nas repartições públicas estaduais no dia 20 de novembro de 2009 , nas situações que especifica:
José serra, governador do Estado de São Paulo , no uso de suas atribuições legais e a vista da lei municipal nº 130707, de 7 de janeiro de 2004, dia da consciência negra.
DECRETA:
Artigo 1- Fica suspenso às atividades nas repartições públicas Estaduais, sediadas no município da Capital do Estado no dia 20 de novembro de 2009.
Artigo 2- Aplica-se o disposto no artigo anterior as repartições públicas estaduais , sediadas em municípios do Estado que tenha editado lei instituindo como feriado municipal o dia 20 de novembro, dia da consciência negra.
Artigo 3- As repartições públicas Estaduais que prestam serviços essenciais e de interesse público e que tenha o funcionamento ininterrupto, terão expediente normal no dia mencionado no s artigos anteriores.
Artigo 4- Esse decreto entra em vigor na data de sua publicação .”
Na prática, tanto o governo Serra, quanto o governo Lula, estão na contra mão da história, uma vez que os mesmos deveriam dar exemplo de respeito, acolhimento e compromisso com as demandas do povo negro organizado .
O Presidente deveria encaminhar uma PEC ao Congresso Nacional instituindo o Feriado Nacional no dia 20 de Novembro em memória a Zumbi dos Palmares, até porque, ele é nosso Herói Nacional, e não poder ficar aprisionado à burocracia, a oficialidade do governo federal , ao descaso do governo Estadual e as manobras políticas em vários municípios que ainda existem o feriado Municipal .
Em São Paulo, o Governador Serra deveria acolher o Projeto do Deputado Estadual Raul Marcelo do Psol que institui o feriado Estadual no dia 20 de novembro, dia da consciência negra, evitando assim, a publicação de decretos que por si só revelam o preconceito Racial existente na sociedade brasileira, ao admitir que algumas cidades podem por força de lei, rememorar a data em que Zumbi dos Palmares foi assassinado pelos detentores do poder, enquanto em outras cidades, os senhores de engenho são insensíveis , cegos , surdos e mudos diante do avanço, da luta e da resistência do movimento negro organizado .
Enquanto os municípios elaboram leis instituindo o feriado municipal em dezenas de cidade no Brasil inteiro, esses mandatários,(LULA/SERRA) estão na prática instituindo uma ilha de preconceito pelo Brasil afora, pois deveriam ser os primeiros a dar exemplo de compromisso para com a Luta histórica do movimento negro no Brasil.
O Governo José Serra ainda faz demagogia, na medida em que reconhece “bondosamente” a existência do feriado no dia 20 de novembro nas cidades onde o feriado já foi aprovado ,(graças a luta e resistência dos movimentos na base),porém, ele sabe que em grande parte das escolas estaduais, não será feriado, pois com a reposição imposta pelos agentes do seu governo,em decorrência da pandemia da gripe HINI,.
A sensação generalizada é que nós professores ainda não conquistamos nossa carta de alforria.
É fundamental que nos organizemos ainda mais para enfrentar esse e outros debates em âmbito municipal, apresentando projetos via câmara municipal ou via projeto de iniciativa popular, a exemplo de cidades cujo feriado já é uma realidade .
Em nível Federal, devemos questionar o real compromisso de Lula para com o movimento negro brasileiro, que até o momento, não resolveu essa parada sobre o feriado Nacional. Também é necessário que façamos o debate sobre o conjunto das bandeiras de luta do Movimento negro, que não se limita apenas ao feriado de 20 de novembro.
Concomitantemente,ao não tencionarmos sobre essa conquista mesmo que atomizada ( do Feriado existente ), corremos o risco de retroceder diante dos interesses e compromissos do setores empresariais, via Câmaras municipais que tentam negar e até descaracterizar a manifestação popular do povo negro através da aprovação das leis nas mais variadas cidades do nosso País.
Em algumas cidades já existem manobras para descaracterizar o dia 20 de Novembro, quando alteram a lei , desconsiderando da data referência ,transferindo-a para os domingos , burlando a lei aprovada, bem como , descaracterizando e desconstruindo a simbologia do dia da consciência negra e o significado da tragédia da escravidão.
Devemos avançar com a implantação da Capoeira na grade curricular das escolas públicas e privadas, bem como , exigimos das Prefeituras a criação de Secretarias de gênero e Etnia ,para a implementação de políticas voltadas diretamente às demandas do povo negro.
É oportuno que realizemos atos públicos em frente as faculdades públicas e ou autarquias que ignoram o debate e a implementação das políticas de cotas, bem como, exigimos do Governo Federal as reparações históricas dos bens e direitos confiscados do povo negro ao longo da nossa história.
Devemos ainda reapresentar no Congresso Nacional um novo estatuto da igualdade racial, elaborado pelo movimento com ampla participação popular, em consonância com os Deputados sensíveis e comprometidos com as nossas lutas. Nesse contexto, também é determinante a nossa resistência contra a criminalização dos movimentos sociais e a faxina étnica cometida contra os jovens pobres e o nosso povo negro .

O Fim do racismo é preciso!!!
Aldo Santos
Sindicalista, Coordenador da corrente Política TLS, Presidente da Associação dos Professores de Filosofia do Estado de São Paulo, membro da Executiva Estadual e Presidente do Psol em SBC.(12/11/09)

VAMOS FISCALIZAR AS OBRAS E AS APLICAÇÕES DAS VERBAS PÚBLICAS

Vamos fiscalizar as obras e a aplicação das verbas públicas.

De fato temos acompanhado algumas obras nas escolas públicas do Estado de São Paulo, resultado de pressão e mobilização da comunidade escolar na busca de melhorias e melhores condições de ensino e trabalho.
Essas obras, via de regra, obedecem um calendário empresarial em detrimento do calendário escolar. Freqüentemente, nos deparamos concomitantemente com aulas, obras, poeira, cheiro de tinta, movimento de pessoas estranhas nas unidades escolares e o comprometimento do aprendizado é um fato inconteste, diante da anormalidade e da precarização nas condições de trabalho.
As obras da Escola Estadual Pedra de Carvalho ficaram incompletas, pois, no fundamental, as rampas para a acessibilidade não foram e nem serão construídas?
Primeiro reformaram os banheiros, depois fizeram outra reforma construindo algumas paredes, reforma da quadra e outros reparos. Na placa em frente à escola está escrito:
· Obra do Governo do Estado;
· Execução de serviços gerais de manutenção, com fornecimento de materiais e mão de obra da Escola Estadual Prof Pedra de Carvalho;
· Investimentos R$ 163.037,52;
· Secretaria de Educação, FDE - Fundação para o Desenvolvimento da Educação;
· Construtora Roy LTDA.

Como podemos observar, o custo da obra daria para comprar um bom apartamento num bairro razoável da cidade.
O que nós percebemos é que as obras começam, mas não tem um prazo determinado para conclusão, dando a sensação de que as obras realizadas “sempre ficam incompletas” e a qualidade da mesma requer um acompanhamento técnico permanente. Na unidade Escolar Pedra de Carvalho, a tinta que pintaram a quadra já esta comprometida, as faixas de demarcação estão parcialmente apagadas, e as paredes foram feitas por construtoras amadoras?
Porque as obras públicas não têm a fiscalização adequada por parte das empresas, representantes do governo e da própria unidade escolar, na sua execução e finalização?
Muitas vezes somos levados a acreditar que “essas obras não nos pertencem”, desmerecendo e desrespeitando a população contribuinte, que no limite, são lezados pela omissão de incompetentes gestores.
Outro fato lamentável é a destinação da sobra final da obra.
No dia 14 de Novembro deste ano, no período da manhã, observamos que no pátio da referida escola tinha uma caçamba (Rudg-entulho-436855654) recolhendo enorme quantidade de pedras e areia, transformando-as em entulhos como se não tivesse nenhum valor aquelas pedras e areia que foram compradas com o dinheiro público. A pedra e a areia dariam para complementar outras obras e até mesmo para ajudar em construção de casas na periferia? Mas o dinheiro público vai para o ralo e infelizmente nossos impostos não são devidamente respeitados em ações simples como o relato acima registrado.
Na verdade toda obra pública deveria ser acompanhada por uma comissão de pais, alunos e educadores, para conferir a qualidade da mesma, avaliar a quantidade e qualidade do material comprado, bem como, vistoriar e ao final receber ou não a obra executada.
Ao longo dos anos que leciono no Estado, tenho verificado coisas que até os ateus duvidam, como foi à obra do (Domingos Peixoto,onde sequer as salas de latinhas foram demolidas, Palmira Grassiotto Ferreira da Silva, que continua abandonada) e dezenas de outras que os professores comentam na Subsede do Sindicato.
Somado a esse rol de descasos, o recente episódio da Escola Estadual São Pedro é gritante, pois a prefeitura de SBC fechou o estacionamento dos professores da referida Unidade Escolar que estão a deriva. Sem contar ainda que tem escolas que ao invés de exigir do Estado a devida segurança para o corpo docente e discente, terceirizam essa atribuição que é de responsabilidade do governo e até estacionamentos são terceirizados, sempre à custa do parco salário dos professores (as) que pagam uma taxa para essas pessoas ou entidades.
Nesse sentido, vamos propor ao Sindicato dos Professores (APEOESP) constitua uma comissão de fiscalização de obras e do dinheiro público que é enviado para as escolas estaduais, uma vez que é raro a escola afixar as notas fiscais de suas compras. Às vezes colocam em algum lugar da unidade escolar balancetes genéricos e a transparência muitas vezes é driblada e ou mascarada.
Essa comissão deve solicitar informação sobre o resultado da apuração da máfia das APM´s, que foi fartamente denunciado pela imprensa regional e até o momento não sabemos se de fato alguém foi punido, se o erário público foi ressarcido e se os trabalhadores que prestaram serviço já receberam os salários.
Vamos também verificar as verbas destinadas às unidades escolares e se a prestação de conta está sendo transparente junto a comunidade e ao conselho de escola.
Vamos ainda propor a criação do “blog da transparência” para que todos possam ter acesso, bem como, criar um canal de denúncias que deverão ser avaliadas e encaminhadas diretamente às autoridades competentes, sempre dialogando com as instâncias das referidas unidades escolares. Essa atividade sindical deve estar atenta também as verbas municipais, pois a natureza e o caráter público das verbas são o mesmo.
Neste particular, pode até parecer uma ação estranha a atuação do Sindicato, todavia, o eventual “desvio de finalidades das verbas públicas” não é educativo e o investimento que falta em várias atividades educacionais, não pode servir para, eventualmente, locupletar pessoas de má índole. Também como cidadãos conscientes não podemos permitir que o dinheiro público tenha outra destinação que não seja o bem público e a promoção de uma vida justa e igualitária.
População consciente é uma população que participa, fiscaliza e denuncia aquilo que lhe diz respeito.

Fiscalizar e denunciar é preciso!!!

Aldo Santos
Sindicalista, Coordenador da Corrente política TLS, Presidente da Associação dos Professores de filosofia e filósofos do Estado de São Paulo, membro da Executiva Estadual e Presidente do Psol SBC. (14/11/09)

PSOL PARABENIZA A POPULAÇÃO PELO FERIADO DE 20 DE NOVEMBRO

Psol Parabeniza a População pelo Feriado de 20 de novembro.

“Zumbi vive em todo ato de justiça,
liberdade e transformação social.”
(Aldo Santos)

Após vários anos de luta na cidade e na região, finalmente estamos comemorando o feriado de 20 de Novembro – em memória a figura histórica e heróica de Zumbi dos Palmares, assassinado pelos senhores de Engenho e governo da época em 1695.
Esse feriado só foi possível graças à ação firme e determinante do ex-vereador Aldo Santos, hoje dirigente do Psol, que em 1989, apresentou projeto para que se comemorasse na cidade a Semana da Consciência Negra, propositura acolhida pela Câmara Municipal e pelo Executivo.
A partir desta aprovação, a “Câmara” e a Administração incorporaram ao calendário oficial da cidade essa data tão significativa para o movimento negro e para a sociedade como um todo.
Após consolidar a comemoração da data da Consciência Negra, Aldo Santos foi o precursor da luta pelo feriado 20 de novembro, apresentando a Câmara Municipal o projeto que instituía o feriado Municipal.
Foi uma luta marcante porque ao longo da história enfrentou agressões levianas, desconhecimento histórico e preconceito explícito por parte de governantes que ignoravam sua atuação e compromisso para com o povo negro.
Nos embates pré-eleitorais e durante a campanha, o companheiro Aldo Santos colocou esse tema como uma das prioridades caso fosse eleito prefeito da Cidade.
A atual administração foi pressionada a reconhecer legalmente a eficácia da luta e da história do movimento negro, transformando o dia 20 de novembro em feriado municipal, a partir da interferência da Câmara que aprovou o “nosso projeto” reapresentado pelo vereador José ferreira do PT, transformando essa data num espaço de reflexão e conscientização sobre o significado da tragédia da escravidão humana, que por vários séculos transformou seres humanos em mercadoria e peças da engrenagem do capitalismo incipiente, com justificativas e defesas históricas, filosóficas, sociológicas e teológicas.
Portanto, nos orgulhamos dessa data, pois o Psol é parte viva dessa luta vitoriosa da classe trabalhadora.
Esperamos que a atual gestão avance ainda mais nas conquistas do povo negro, instituindo as cotas na Faculdade de direito São Bernardo (autarquia municipal), que “continua indiferente” a essa demanda, debatida e incorporada em dezenas de instituições educacionais no Brasil inteiro.
A Administração também deve criar-otimizar a Secretaria de Gênero e Etnia para atender as demandas específicas que hoje estão ainda na marginalidade das preocupações institucionais.
Além de ser autor da lei que comemora a Semana da Consciência Negra, do Feriado de 20 de novembro o ex-vereador Aldo Santos também é autor da lei que institui a capoeira nas escolas municipais, projeto esse, derrotado pelos vereadores da bancada de situação na ocasião.
Paradoxalmente, Zumbi continua sendo perseguido e desrespeitado em várias cidades que ainda não aprovaram o referido feriado, ao mesmo tempo em que prefeitos reacionários e mancomunados com o setor empresarial, tentam descaracterizar essa importante dada, dando ao feriado um caráter meramente descartável, revelando assim o caráter opressor dos neo-escravagistas, dos senhores de engenho e capitães do mato que continuam perseguindo os “negros livres”, a exemplo do Prefeito de São Caetano e outros no Brasil.
Lamentamos a atitude desses prefeitos, mas a história se encarregará de superar essas práticas reacionárias discriminatórias, onde os opressores de ontem e hoje serão varridos para o lixo da história e as ideias de liberdade, justiça e igualdade farão parte definitiva do vocabulário da humanidade dentro de outro contexto civilizatório.
Parabéns população pela luta e pelo feriado, e vamos lutar para que não haja retrocesso e que o Presidente da Republica Luiz Inácio da Silva assuma definitivamente seu compromisso com a população negra brasileira, instituindo o feriado Nacional, conforme apelo e clamor de várias lideranças que usaram a palavra na VI Marcha de Negros e Negras na manifestação da capital de São Paulo na tarde de hoje (20/11/09)

Lutar é preciso!

Diretório Municipal do Psol SBC.

domingo, 1 de novembro de 2009

POR UM ESTADO LAICO URGENTE



Antropologia já.

Como resultado da audiência realizada entre o Papa Bento XVI e o Presidente Lula em novembro de 2008, os mesmos celebraram acordo que aprofunda o caráter religioso do Estado, em contradição com a própria Constituição e a vontade popular que buscam sobrestar o Estado de assumir compromissos religiosos, uma vez que diante da pluralidade, complexidade e interesses religiosos existente o mesmo deve ser absolutamente Laico.
O resultado prático desse acordo, resultou no Projeto de Decreto Legislativo (PDL 1736/2009).
O referido PDL foi aprovado na Câmara dos Deputados federais, marcado por amplo debate e visibilidade do ponto de vista midiático.
A apreciação, votação e aprovação pelo Senado foi relativamente tranqüila , após lobby e acordos entre as forças e bancadas que compõe o Congresso Nacional.Criticas nesse sentido constam do texto publicado no site do Deputado Federal do Psol Ivan Valente quando afirma: “...São diversos os pontos do acordo que impactam a sociedade brasileira como um todo e que, por isso, deveriam ter sido debatidos de forma muito mais ampla com a população em geral. Pelo contrário, o PDL 1736 foi aprovado num verdadeiro acórdão na Câmara dos Deputados, que incluiu a aprovação, por tabela, do PL 5598/2009 – conhecido como Lei Geral das Religiões, praticamente uma cópia do PDL 1736, editado às pressas para compensar a bancada evangélica. Ao contrário do que afirmou o deputado Inocêncio de Oliveira, que presidiu a sessão da Câmara que aprovou os projetos, havia um acordo firmado entre todos os líderes partidários.”
A atual Constituição Federal dispõe em seu artigo 210 § 1º que: “O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental.”
Nós, que estamos no chão da escola pública sabemos muito bem que praticamente essas aulas inexistem, uma vez que a procura é ínfima e quando existe tem se prestado a práticas doutrinárias, do que propriamente a um momento de indagação, reflexão e de cultura religiosa sobre a existência do Homem ao longo da sua história.
Na História da humanidade a religião representa leituras e reflexões do ponto de vista natural, (material) e sobrenatural,tendo por base na seguinte definição : “Crença na existência de força ou forças sobrenaturais. Manifestação de tal crença pela doutrina e ritual próprios . Devoção”. (mini-Aurélio - Século XXI, Escolar,4º edição revista e Ampliada do minidicionário Aurélio. Edição ampliada para o FNDE/PNLD2001)
A partir dessa definição, essas manifestações doutrinárias são adequadas ao ambiente das práticas religiosas, tal a amplitude, interesses e especificidade das mais variadas leituras e credos existentes.
Na formação propedêutica, disciplinas do currículo escolar da educação básica (como História, Geografia, Sociologia e a Filosofia) já contribuem parcialmente para o aprofundamento sobre o papel do homem no processo histórico em curso .
Todavia, esse espaço legal, tendo como ponto de partida a existência de um Estado laico, deveria assegurar o aprofundamento da complexidade humana, através da disciplina de Antropologia, definida como: “Estudo ou reflexão acerca do ser humano, e do que lhe é característico.Designação comum a diferentes ciências ou disciplinas , cujas finalidades são descrever o ser humano e analisá-lo com base nas características biológicas e socioculturais dos diversos grupos (povos, etnias ,etc.) dando ênfase às diferenças e variações entre eles”. (mini Aurélio - Século XXI, Escolar,4º edição revista e Ampliada do mini-dicionário Aurélio. Edição ampliada para o FNDE/PNLD2001)

Portanto, que as Igrejas cuidem de suas doutrinas e as atuais aulas de religião sejam substituídas por aulas de Antropologia e outras disciplinas úteis a reflexão da existência do homem no processo evolutivo no orbe.
Além de não ser papel do Estado subsidiar qualquer religião, o mesmo deve assegurar as mais variadas leituras sobre a existência humana , inclusive sobre a crença ou não de cada cidadão.
Esse debate tem como pano de fundo o avanço e o retrocesso do ponto de vista da ciência. Várias instituições buscam na religião e no amparo legal do acordo recém aprovado fortalecer os argumentos criacionistas, que em alguns Estados, tem arrostado essa polêmica em detrimento das teorias evolucionistas vinculadas aos conhecimentos e ensinamentos de Charles Darwin, (que quanto mais é combatido), mais se afirma como explicação de cunho cientifico e coloca a humanidade em outro patamar do processo civilizatório e da convivência inclusiva do homem ao longo da Evolução .
Ainda conforme artigo do Deputado Federal do Psol acima mencionado, “O PSOL, no entanto, não foi consultado. Na verdade, o que se constatou durante a sessão foi que aqueles muitos deputados que tinham divergências em relação à aprovação do acordo Brasil – Vaticano, rapidamente mudaram de opinião quando outros credos foram contemplados em projeto de lei semelhante. Ou seja, não se tratava de preservar o caráter laico do Estado brasileiro, mas de aprovar uma lei de compensações no mercado da fé.
Por isso, cabe a contestação na Justiça sobre a tramitação e a votação anti-regimental dos projetos e a solicitação da anulação da votação. A Associação dos Magistrados Brasileiros também já declarou que pode impetrar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal se os projetos forem aprovados no Senado. Toda ação neste sentido é fundamental, sob o risco de legitimarmos uma lei que vai restringir direitos tão duramente conquistados pela sociedade brasileira.”
Lamentamos que diante de tantos experimentos e do avanço inconteste da ciência nas mais variadas áreas do conhecimento, tenhamos que conviver com o atraso e com a negação da própria ciência, em detrimento de leituras que não tem nem considera o embasamento teórico e o avanço científico como “critério mutável da verdade”.

Por um Estado Laico Urgente .

Aldo Santos

Sindicalista, Coordenador da Corrente política TLS, Presidente da Associação Estadual dos Professores de Filosofia, Membro da Executiva Estadual e Presidente do Psol SBC (31/10/09)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

COMENTANDO A HISTÓRIA DO MOVIMENTO NEGRO

"Se não puder voar, corra. Se não puder correr, ande. Se não puder andar, rasteje, mas continue em frente de qualquer jeito".Martin Luther King. Jr.

Convidamos você para nossa
atividade cultural da Semana da Consciência Negra. Participe!


“Zumbi vive em todo ato de liberdade e luta em defesa dos oprimidos.”



Escola e personalidades que serão homenageados pela APEOESP subsede de São Bernardo do Campo no dia 22 de novembro de 2008. Participe da nossa atividade da Consciência Negra.
· Escola Estadual Antônio Caputo:pelo trabalho desenvolvido pelos educadores e educadoras nos últimos anos na semana da consciência negra.
· Dr. Horácio Raineri Neto: advogado e vereador de São Caetano de Sul, homenageado pela ação judicial que foi vitoriosa ao condenar o jornalista Célio Franco por ofensa e preconceito racial contra o professor Aldo Santos e o movimento negro em 2004.
· Profª Eliana Santos Camargo Castro: vice-diretora da Escola Estadual São Pedro que juntamente com os demais educadores tem desenvolvido um amplo processo de reflexão em defesa da classe trabalhadora contra o Preconceito Racial.
PROGRAMAÇÃO DA NOSSA ATIVIDADE
15 h – Atividades culturais
Abertura com o tema: A história do movimento negro e a luta pelo feriado 20 de novembro
Palestrantes: Prof. Aldo Santos e Prof. Aparecido Alexandre
· Exposições de trabalhos dos alunos das escolas de São Bernardo do Campo;
· Capoeira
· Músicas
· Teatro às 17h
Ø Apresentação da peça Dom Casmurro / Cia Empírica
Ø Apresentação da peça Vidas Secas / alunos da EE Profª Maria Osório Teixeira
· Homenagem as pessoas / entidades que tem prestado relevantes serviços à luta em defesa da conscientização do movimento negro.
· Comida típica
A Luta faz a História.
As desigualdades na distribuição de renda e no acesso ao ensino ainda persistem, apesar da escravidão ter sido oficialmente extinta há mais de 120 anos.
Embora os órgãos governamentais estabeleçam o fim da escravidão a partir da assinatura da Lei Áurea em 13 maio de 1888, entendemos, que o marco de luta, resistência e referência para os escravizados é fundamentalmente, a luta do Quilombo dos Palmares, data na qual foi assassinado Zumbi dos Palmares em 20 de novembro de 1695.
Outros exemplos concretos de luta do povo negro foram: a “Revolta dos Malês” em 25/01/1835, Salvador - Bahia, liderado dentre outros por Licutan; No Rio de Janeiro, em 22 de novembro ,no ano de 1910, João Cândido, o Almirante Negro, comandou a luta que ficou conhecida na história como “A Revolta da Chibata”.Em 1931 foi fundada a Frente negra Brasileira, que se transforma num Partido Político .Em 1944 surge o Teatro Experimental do Negro, bem como, fundam também o Teatro Popular brasileiro, onde se destaca o poeta Solano Trindade . Posteriormente, outros personagens vão contribuir enormemente com o nosso movimento. Enfim, tantos outros, que no silêncio e anonimato resistem contra toda forma de escravidão, opressão racial e de classe.
Em 1971 o poeta Edson Carneiro da o pontapé sobre a data de 20 de novembro, culminando com a atuação do MNU (movimento Negro Unificado), que no dia 7 de Julho de 1978 propôs o 20 de novembro como dia Nacional da Consciência negra.
No dia 20 de novembro de 1989, a Câmara Municipal de São Bernardo do Campo por força de uma propositura do ex-vereador Aldo Santos, realizara pela primeira vez o debate oficial sobre o significado histórico da luta de Zumbi dos Palmares e a necessária contextualização nos dias atuais.
Com o debate institucional posto, todos os anos, várias entidades e partidos políticos têm se dedicado a esse tema, vez que até mesmo no calendário oficial da diretoria de ensino, consta oficialmente o tema que deve estar contido no planejamento escolar da cidade.
Em 2001, apresentamos o projeto que institui o feriado na cidade, a exemplo de outras cidades no Brasil. A cada ano aumenta nossa ação consciente no combate as mais variadas fórmulas de expressão de ações preconceituosas, brincadeiras racistas e politização política como ocorreu com a eleição do Atual Presidente Americano Barack Obama.
Contextualizando esse debate, os dados da realidade que compõe o quadro da disparidade sócio-econômico e educacional expressam de forma contundente a emergência de nossa ação no cotidiano.
Dos 14 milhões de analfabetos brasileiros, cerca de 9 milhões são negros. Em termos relativos, a taxa de analfabetismo da população branca é de 6,1%, para as pessoas com 15 anos ou mais, e de 14% para os negros. Os indicadores apontam que 57,9% dos estudantes brancos de 18 a 24 anos estavam no nível superior, em 2007, contra 25,4% negros. Mesmo com a política de cotas em mais de 60 universidades públicas, a maioria dos jovens negros ainda estão fora do ensino superior.
De acordo com o IBGE, a população de “pretos e pardos” superou a de brancos em 2007: 49,7% dos brasileiros são afro-descendentes, enquanto os brancos representam 49,4% da população.
A distribuição de renda entre os 10% mais pobres e entre o 1% mais rico mostra que, em 2007, os brancos eram 25,5% do total entre os mais pobres, e 86,3% entre os mais ricos. Já os negros representavam 73,9% entre os mais pobres, e apenas 12% entre os mais ricos.
Em São Bernardo será feriado.
Como se não bastasse os dados acima, temos que amargar, com o cativeiro imposto a população de SBC, transformando-a numa ilha de preconceito na região do ABCDMRR.
Expressando o seu caráter discriminatório a atual administração sequer permite à população negra do município comemorar o seu dia com tranqüilidade, na medida em que vetou todas as iniciativas, no sentido de que o dia 20 de novembro haja o feriado de fato..
Nossa indignação se volta também contra o governo Serra e Lula que negam a grande maioria da população do Estado de São Paulo e do país, o direito de homenagear nossos heróis da resistência contra a escravidão e o genocídio cometido a população negra.
No Grande ABC, São Bernardo do Campo permanece como uma ilha de preconceito, pois na grande maioria das cidades do Estado, o feriado já é uma realidade, enquanto na nossa cidade, parece que o espírito dos capitães do mato permanece vivo naqueles que administram o município.
Nossa luta contra o racismo e a discriminação vai continuar,e esperamos que o 20 de novembro seja transformado num grande feriado nacional, para que possamos comemorar plenamente a luta e a resistência dos nossos bravos guerreiros que ousaram enfrentar o genocídio da tirania escravocrata.
As alegações do prefeito são de natureza comercial, justificada pelo lobby de alguns empresários, cujo lucro é a razão de sua existência. Algumas cidades pressionadas pelo movimento organizado e por prefeitos sensibilizados aprovaram em toda região o histórico feriado, em que pese, mais uma vez o lucro falar mais alto e também de forma desrespeitosa, burlam a lei, transferindo a data para um sábado ou domingo, pois segundo eles causaria menor impacto sobre a economia da cidade.
Entendemos que o prefeito Dib, poderia ainda numa atitude de grandeza, decretar o referido feriado, para não passar para a história do movimento negro e dos pobres da cidade como um prefeito insensível a população empobrecida do nosso município. Repudiamos ainda, esses prefeitos da região que numa manobra clássica tentam descaracterizar a nossa luta e nossa história transferindo o feriado da data marcante – o dia que assassinaram Zumbi dos Palmares, 20 de Novembro de 1695 – em detrimento do lucro, do comercio e do capital.
Deste modo, é fundamental que a classe trabalhadora, bem como o movimento negro possa avançar a luta contra os ataques patronal, governamental, e agora mais ainda em relação a crise do capitalismo – crise permanente , para os trabalhadores em geral.
Mais do que nunca se faz necessário retomarmos a luta pelo feriado municipal, rumo ao feriado nacional, bem como, agregar outra agenda em sintonia com a conjuntura nacional, tal como, a reestatização da Petrobrás, Vale do Rio Doce ,redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais, sem redução de salários e conquistas e outras.
as bandeiras do movimento negro tremulam em todo o paÍs; em todos os cantos da terra; rumo ao reparo histórico, a condenação do preconceito ainda existente, com a dose de rebeldia necessária contra os opressores da classe.

Lutar é preciso
Aldo Santos
18/11/2008



Pesquisa realizada na biblioteca da Câmara Municipal de
São Bernardo do Campo
Por Paulo Ricardo de Jesus Pereira
Aluno da 2ª série do Ensino Médio
Escola Pedra de Carvalho

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

PAULO RENATO E SERRA, INIMIGOS DA EDUCAÇÃO E DOS PROFESSORES

“Paulo Renato e Serra,inimigos da Educação.
Não tem limite a ofensiva do governo que imputa aos Professores do Estado de São Paulo o fracasso de sua política educacional ao longo dos governos tucanos. Num primeiro momento, eles elegeram os Admitidos em Caráter Temporário (ACTs), como bode expiatório do fracasso generalizado da Educação conforme demonstra os mais variados índices de avaliação.
Essa divisão, gerou protestos,estimulou greves, passeatas, mais o governo na tentativa de justificar seu próprio insucesso, insiste na linha de criminalizar pedagogicamente os educadores, responsabilizando-os pela péssima qualidade educacional e todas as mazelas decorrentes.
Os professores além da humilhação sofrida no cotidiano escolar (submetidos a todo tipo de violência , assédio moral, e outros ), o governo desconstrói “o ser do educador” , precariza as condições de trabalho e salário, para justificar a imposição de novas políticas elitistas, divisionistas, ainda exterioriza e reforça sua ojeriza pelos educadores estaduais.
No ano de 2008, instituíram a provinha que finalmente serviu para desnudar a incompetência do governo que foi incapaz de aplicar uma prova com a devida lisura que o processo requer.Além de serem derrotados na política da provinha Serrana ,a justiça não teve outro caminho a não ser a anulação da referida prova ,mantendo o critério anterior para o processo de atribuição de aulas .
Além dessa ofensiva, ele decretou a doença via imperativo da lei, definindo quantas vezes o professor poderia ficar doente durante o ano e instituiu o bônus como forma de aliciamento educacional, sem assegurar o efetivo aumento salarial e a necessária valorização do magistério.
A secretária da educação anterior a Paulo Renato, abusou e usou do poder de secretária para ofender professores e instituições e da mesma forma que a arrogância e a prepotência alcançou as alturas, foi grande também sua queda, pois, a categoria numa efetiva ofensiva foi às ruas e a exemplo de secretários anteriores levou-os ao desgaste e a conseqüente exoneração por parte do responsável Maior pela deseducação no Estado, o Governador José Serra.
Num vacilo da Direção majoritária do sindicato, que poderia ter resistido, e derrotado esse governo , o governo avança de forma implacável “liberando as maldades contidas na caixa de pandora educacional dos tucanos, onde sequer a esperança esperou” .
Aprovaram o PLC 19 e 20, e agora aprovam o PLC 29, sacramentando em linhas gerais o novo perfil que pode ser denominado de “ professor padrão ” no maior estado brasileiro, que certamente vai influenciar outros setores da educação nacional.
Os ACTs, depois de lecionarem 20 a 30 anos , terão que provar se sabem ou não lecionar, e para isso desconsideram o papel das instituições educacionais (faculdades e universidades públicas e privadas) que tem a atribuição de habilitar os profissionais da educação.
Convém salientar que os admitidos pela lei 500/74, não entraram pela porta dos fundos e em nossa opinião deveriam ter o direito assegurado,(Estabilidade efetiva e não de apenas 12 aulas),depois de trabalharem mais de 35anos sob a guarida de uma lei estadual.
O que de fato se pretende é a imposição doutrinaria da escola do PSDB como critério seletivo e de ilação político/ideológico, objetivando fazer a triagem dos futuros concursados, bem como, viabilizar as provas anuais para aferir o mérito exigido pelo PLC 29 que foi aprovado na calada da madrugada do dia 21/10/09.
Com a aprovação desse projeto, eles vão criar várias redes e evidenciar o perfil dos educadores nas mais variadas modalidades :Teremos a categoria dos profissionais Obsoletos, (Professores que por ventura não consigam passar na referida provinha).
Os descartáveis, que trabalha um ano e serão dispensados e deletados , Os (professores padrão), que comporão o plantel dos 20 % que a lei assegura para fins de promoção , e o baixo-clero (80%) que ficarão de cabeça baixa , porque serão impedidos por lei de ter uma carreira assegurada,com evolução funcional, pois o funil é seletivo , preconceituoso, além de decretar o fim da isonomia salarial.
Na verdade, a criminalização dos professores vai continuar em novas modalidades . Na Prática estamos na “faixa de gaza educacional”, onde somos detonados e destruídos, e nossa reação está limitada e voltada para um parlamento viciado e comprometido com o governo inimigo e opressor.
Fazemos um chamado aos professores OFAs, (ativos e inativos), estáveis , efetivos e aposentados que serão vitimas da nova lei aprovada , bem como, a diretoria dos sindicatos para que possamos a luz da realidade posta retomarmos o caminho da luta e da resistência efetiva. O Ponto alto do desrespeito e da humilhação para com o sindicato e os professores foi o episódio que ocorreu no último CER (20/10/09), onde o sindicato tinha alugado o espaço para a realização da referida reunião e o governo desalugou e desalojou os professores que tiveram que improvisar e realizar a reunião do Conselho estadual de Representantes numa praça pública , próximo a assembléia legislativa do Estado.
Como se não bastasse a agressão acima, mais uma vez fomos recepcionados no portão de entrada do poder legislativo pela tropa de Choque de Serra e dos deputados que tripudiam encima da fragilidade demonstrada pelo maior sindicato da América Latina (APEOESP).
O palco da nossa ação e resistência não pode ser o parlamento burguês, pela sua natureza governista e pela sua capacidade de controle sobre os educadores que entram nessa lógica e no jogo deles, uma vez que o campo,a bola, o juiz , os jogadores e o técnico são nossos adversários e inimigos da nossa classe.
Diante da política de terra arrasada construída pelo governo e seus asseclas, não resta outra alternativa senão irmos a luta contra a destruição da educação e dos educadores , pois mais uma vez nos deparamos com um secretário inimigo da Educação e dos Professores .
Não resta dúvida que devemos retomar e divulgar, a exemplo de outros momentos correlatos a insígnia de : “Paulo Renato e Serra,inimigos da educação e dos professores (as) .

Reagir é preciso !!!

Aldo Santos
Sindicalista, coordenador da corrente política TLS, Membro da Executiva Estadual e Presidente do Psol SBC (24/10/09)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Pré-Sal

PRÉ -SAL

O Pré Sal é a nova reserva petrolífera encontrada nas profundezas do mar, esse petróleo se encontra em baixo em baixo de uma camada de sal, que da superfície do mar até chegar ao solo são em torno de 1 há 2 kilometros de lâmina de água, depois tem de 4 a 6 kilometros de subsolo ai vem de 200 metros a 2 kilometros de Sal. Dando Numa Média em torno de 8 a 10 Kilometros de Profundidade.
Como mostra a figura ao lado temos uma grande quantidade de terreno para ser escavado até que possam chegar na reserva de petróleo.


Essa extração é algo de extrema dificuldade, e uma das maiores dificuldades é pelo fato de estar de baixo do oceano, apesar de que mesmo que fosse em solo seco já seria uma tarefa extremamente complicada de sua vasta quantidade de terra antes de chegar à camada de petróleo.

A empresa degninada para ser responsável pela extração dessa quantidade enorme de petróleo do pré-sal foi a empresa brasileira Petrobras, que em nota afirmou ter a tecnologia necessária para que a extração ocorra com sucesso, no segundo semestre de 2008 a Petrobras começou sua extração em pequena escala.
Daí começou a discussão pra saber em que velocidade deve ser feita esta extração.
Muitos afirmam que se for feita muito rápido isso pode acabar com o reserva muito rápido o Brasil se tornaria um grande exportador com o tempo, a exportação começara a cair,e à importação aumentar e que isso pode afetar outros pontos da economia como, por exemplo, a agricultura e as industrias.
Muitos países com a descoberta do pré-sal brasileiro começaram a procurar em seus territórios por algo semelhante. Pois para um país descobrir uma reserva tão grande de petróleo pode significar grande aumento para economia de um pais.
Período: Manhã
Nome: Erik Vinicius Silva da Costa
Númeroº 14
3ªA

O MUNDO DE SOFIA

O Mundo de Sofia


Através de Sofia uma menina que vai completar quinze anos... A história começa quando Sofia encontra em sua caixa de correio uma carta anônima endereçada a ela, a partir daí passa a receber cartões postais, bilhetes de um Major do Líbano para ser entregue à sua filha uma menina chamada Hilde que também fará aniversario na mesma data que ela, porém da qual ela nada sabe.
Apesar de nunca ter ouvido falar nesse estranho Major Sofia vai percebendo que ele sabe tudo sobre ela. O autor parte dessa premissa para desenrolar todo o romance que envolve os leitores em um mundo de fantasia do qual todos mergulhará no fascinante mundo da filosofia ocidental. Pois um professor de filosofia vai explicando a Sofia de uma maneira muito especial os principais pensamentos filosóficos ocidentais, e o leitor voa junto com a heroína por um caminho vívido onde o autor desvenda o mais complexo da filosofia em formas de cartas ou de conversas amigáveis e bastante informais.
O autor usa todos os recursos que consegue para deixar a filosofia algo de fácil entendimento, usando brinquedos e até formas de bolo para explicar a teoria platônica das idéias. As lições de filosofia são tiradas do dia a dia de Sofia, e nesse contexto a presença de Hilde e seu pai que está distante o Major se torna muito presentes para Sofia, o desfecho da história promete ser no dia do aniversário de Sofia e Hilde, pois o Major promete a Hilde um presente que vai deixar claro para Sofia todo o mistério.
O professor continua presente todo o tempo, Sofia não compreende porque sonha com Hilde, a vê, fala com ela, mas a outra menina nunca responde ou dá sinal de estar vendo-a também. Tudo parece tão estranho até chegar o aniversário de Hilde e o pai lhe darem um livro chamado O Mundo de Sofia, livro esse que a própria Sofia também recebeu igual.
O mistério fora desvendado, Sofia, o professor e todos que faziam parte de sua vida não passavam de personagens do livro que o Major escreveu para que a filha Hilde soubesse tudo sobre Filosofia de uma maneira que nunca mais esquecesse. Apesar de Sofia de inicio ficar triste por não ser uma menina real, o professor lhe mostrou que ela como personagem seria eterna, e poderia ajudar muitas outras meninas a aprenderem sobre filosofia.
Cesar frança

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Yo tengo tantos hermanos.


O mundo acompanhou entristecido o anúncio da morte de Mescedes Sosa , que nasceu na província de Tucuman , noroeste da Argentina e morreu no dia 4 de outubro de 2009, aos 74 anos , em Buenos Aires (1935 – 2009 ).

Uma das maiores cantoras do mundo , pelo conteúdo das suas letras, pelo engajamento ao lado dos oprimidos e pela voz encorajadora ao lado dos lutadores latino-americanos.

São músicas até hoje denunciam profundamente um período abjeto da historia das América , marcado pela repressão, torturas e mortes dos militantes de esquerda que ousaram desconstruir o mundo capitalista e recriar um novo mundo de justiça, de igualdade e de liberdade; Um mundo Socialista. Xenofobismo a parte, me rendo a Argentina , principalmente a essas duas personalidades que são irmanados nas idéias, na utopia, e ainda hoje são como que faróis acessos a iluminar e guiar a esquerda mundial .

Estou me referindo a Ernesto Guevara, revolucionário que foi assassinato a 41 anos pelos milicos bolivianos, numa trama arquitetada pelo “Inteligência” mundial que ilusoriamente achava que “matando o corpo físico” , destruiria as idéias libertarias de Ernesto Guevara.

Inegavelmente, esse Argentino (Latino Americano), mais do que pensar a história e as crises capitalistas, foi a própria História , junto a outros revolucionários da revolução Cubana, e revelou como poucos, o caráter internacionalista da ação revolucionária .

Concomitantemente, expressava uma máxima Marxiana, de que “a prática é o critério da Verdade”, pois além de fomentar ações revolucionárias, ainda relatava em detalhes os bastidores da revolução (práxis), que foi traduzido em grande bibliografia mundial, protagonizando vários estudos , obras escritas e documentários , além da recente exposição dos filmes de inestimável valor histórico /cultural/Revolucionário como: (o diário de Motocicleta, Che- o Argentino, e o heróico Guerrilheiro), elogiados pela critica internacional e assimilado pela juventude e lutadores do mundo inteiro que buscam nesses mitos revolucionários verdadeiras referências e paradigmas de um novo homem e uma de uma nova mulher.

Outra Argentina que nos orgulha muito é à própria Mercedes Sosa, que enfrentou a ditadura militar, que cantou e deu voz aos que foram “silenciados” pela algozes do povo ,mas sempre identificava na luta e na vida a profunda dimensão humana ao ponto de afirmar que somos todos Hermanos:

Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar
En el valle, la montaña,
En la pampa y en el mar
Cada cual con sus trabajos
Con sus sueños cada cual
Con la esperanza delante,
Con los recuerdos detras
Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar.

Yo tengo tantos hermanos
Que no los puedo contar
Y una hermana muy hermosa
Que se llama libertad

Los Hermanos

Mercedes Sosa

Composição: Athaualpa Yupanqui

Cantou melodias de rebeldias que nos leva a afirmar: Ernesto Guevara e Mecedes Sosa, estarão sempre presentes, na memória coletiva de um povo que sofre, luta e resiste, mas sobretudo sonham e constroem um mundo novo e livre dos opressores capitalistas .

A exemplo de Mercedes Sosa ,Lutamos , resistindo e Cantamos:

“Graças à vida que me deu tanto

Me deu o riso e me deu o pranto

Assim eu distinguo fortuna de quebranto

Os dois materiais que formam meu canto

E o canto de vocês que é o mesmo canto

E o canto de todos que é meu próprio canto

Graças à vida , graças à vida”.

Gracias A La Vida

Mercedes Sosa

Composição: Violeta Parra

Cantar, resistir e conquistar é preciso!!!

Aldo Santos

Sindicalista, Coordenador da Corrente política TLS, Presidente Estadual da Associação dos filósofos,Membro da Executiva Estadual e presidente do Psol em SBC, (17/10/09)



domingo, 18 de outubro de 2009

O OUTRO LADO DO PRÉ-SAL

No momento em que o Congresso Nacional discute os projetos referentes ao marco regulatório do pré-sal, se faz necessário fugir do lugar-comum do ufanismo dominante e debater as implicações ambientais desse tipo de exploração.
Primeiro, é importante saber que, por ser uma formação mais profunda e antiga, a concentração de CO2 (principal gás de efeito-estufa) pode ser entre 3 e 4 vezes superior à dos campos do pós-sal. Assim, supondo reservas de 80 barris (correção: 80 bilhões de barris) e considerando as altas concentrações de CO2 dos poços do pré-sal, se o nosso país utilizar o combustível em um período de 40 anos, teremos uma liberação anual de 1,3 bilhão de toneladas equivalentes de carbono, ou seja, o dobro das atuais emissões do país (o que pode nos colocar no topo dos países mais poluentes do planeta).
O mais grave é que parece não haver ainda métodos disponíveis no mundo para evitar que a exploração do pré-sal venha a poluir ainda mais o planeta. Há, inclusive, controvérsias quanto ao custo de captura do CO2, que pode variar de 10 a 100 dólares por tonelada, segundo o Greenpeace. Pela previsão mais conservadora, a emissão potencial de 18 bilhões de toneladas de CO2 do pré-sal pode levar esse custo a mais de 100 bilhões de dólares, valor próximo ao investimento que a Petrobras planeja para o pré-sal até 2020.
Ora, se quisermos evitar que a temperatura média do planeta se eleve acima de 2°C até o fim do século XXI, não poderemos queimar mais do que um quarto das reservas descobertas de petróleo no mundo. Por outro lado, o pré-sal só entrará em ritmo comercial entre o meio e o fim da próxima década, provavelmente em uma época em que as restrições sobre as emissões de CO2 serão muito maiores e a difusão de outras formas de energia e a redução do consumo de petróleo também.
Lamentavelmente, o que está ocorrendo já, neste momento, é que os trabalhos legislativos da comissão especial de energias renováveis têm sido atrasados por conta da tramitação dos projetos de lei do pré-sal. Em termos de investimentos, ainda que as receitas do pré-sal possam vir a auxiliar o desenvolvimento de pesquisas e subsidiar as energias limpas, os gastos com a exploração do óleo e, posteriormente, com a captura de carbono, poderão vir a comprometer os investimentos nacionais em renováveis. A descoberta do pré-sal está levando a uma aposta ainda maior na matriz suja, vide o anúncio do Ministério de Minas e Energia de propor o diesel em carros de passeio.
O investimento no petróleo do pré-sal – em tempos de aquecimento global e mudanças climáticas -, pode vir a ser um atraso, em um país que, rico em mega-diversidade e com um potencial fantástico em energias limpas (como a solar, a eólica e a de biomassa), deveria estar na vanguarda da nova economia pós-carbono, que se faz necessária e urgente para a manutenção da vida em nosso planeta.
João Alfredo Telles Melo – Vereador de Fortaleza/PSOL. Professor de Direito Ambiental e ex-consultor de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil
Fonte: Jornal “O Povo”

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O RACISMO DENTRO DA SOCIEDADE

O racismo na sociedade brasileira tem causado sérios transtornos aos negros porque impede que eles participem da integração social. Há exclusão, descaso e desvalorização desta parcela do povo brasileiro. A hipocrisia não permite que o preconceito seja admitido como prática comum.
Em pleno o início do terceiro milênio, ainda não se conseguiu superar o terrível mal da segregação racial.
Já na Roma antiga, os Romanos chamavam bárbaros aos que não falavam a mesma língua e tinham costumes diferentes.
Nos dias de hoje já não existe Império Romano mas o racismo continua.
Para dar um exemplo vou relatar a história de uma menina mal tratada pela sociedade.
Ela chamava-se Helena e era filha de pais negros e muito ricos.
Na escola, Helena não tinha grandes razões de queixa. Mas não tinha tantos amigos como às outras pessoas, porque era de uma cor diferente.
Helena sentia-se mal com alguns comentários que lhe “lançavam” mas, como tinha os seus amigos de escola, não se importava nada com a opinião das outras pessoas.
Todos os dias, quando chegava à escola, ouvia comentários desagradáveis. Contudo, não se preocupava muito com a situação, pois, as amigas diziam que ela era rica e as pessoas que inicialmente tinham insultado Helena passavam a querer ser suas amigas. Em quase todos os intervalos a cena repetia-se: sempre que surgiam comentários desagradáveis, a atitude das amigas resolvia a questão. A única amiga que não tinha esta atitude era Beatriz.
Quando Helena lhe perguntava por que é que ela não agia como as outras, Beatriz respondia que não achava correta a sua atitude e dizia que as amigas só estavam junto dela por causa do dinheiro que ela possuía. Helena ao ouvir tais palavras zangava-se com Beatriz e jurava que nunca mais lhe voltava a falar.
Passados uns meses o pai de Helena teve um grande problema econômico e toda a fortuna que possuíam foi por água abaixo. Acabaram-se as empresas, os carros, a maravilhosa casa. Helena era agora negra e pobre.
Estava de rastos com toda a situação e queria desabafar com as amigas. Com todas ,menos com Beatriz. Elas ao ouvirem o que tinha acontecido deram-lhe umas palmadinhas nas costas e rapidamente a deixaram só.
Antes de perder a fortuna e as “amigas”, ninguém repetia um comentário racista, nem voltava a tocar nela. Mas a situação mudou e a vida de Helena passou a ser diferente.
Algumas semanas depois, quando ia a entrar numa aula, um colega disse-lhe:
- Aqui não te sentas.
-Porquê?
- Ainda perguntas, sua preta que não tem onde cair morta...
Este foi só o primeiro de muitos comentários que teve de agüentar todos os dias, até por parte das que diziam ser suas amigas.
Num dia em que tinha ouvido mais comentários do que era costume, Beatriz chegou ao pé dela:
-Afinal eu tinha razão, não era?
- Razão sobre o quê? Oh! Vai embora... Também vens gozar comigo é?
-Já devias saber que eu fui a única pessoa que sempre fui tua amiga de verdade, nunca alinhei em esquemas para me aproveitar do fato de tu teres sido rica e também nunca me aproximei de ti por causa do teu dinheiro, a pensar que podia ganhar algo em troca ou com esperança de um dia me dares um belo presente como recompensa da minha amizade. Eu aproximei-me de ti porque acho que tens valor pela pessoa que és e nunca por causa daquilo que tens ou que um dia tiveste.
Helena, ao ouvir estas palavras, não precisou que ninguém lhe dissesse o que fazer. Ela percebeu que tudo o que Beatriz dissera e fizera antes tinha sido para seu bem, porque se preocupava realmente com ela.
Apesar das duas já terem feito as pazes, os comentários desagradáveis continuavam.
Beatriz achou que algo tinha de ser feito e decidiu arranjar uma maneira de provar que todas as pessoas são iguais, apesar das suas diferenças.
Beatriz teve uma ótima idéia: fazer uma campanha contra o racismo. Para isso, convenceu todas as pessoas que eram ou já tinham sido vítimas de racismo a dar o seu testemunho.
Quando a campanha começou, Beatriz e Helena tinham medo de que ninguém prestasse atenção, tinham medo de ninguém se importar com um problema que estava a crescer na sociedade.
No princípio quase ninguém aderiu à campanha.
Já elas, estavam prontinhas para desistir, quando aparece um mar de gente que adorou a campanha, principalmente os testemunhos das pessoas vítimas de racismo.
No final, não havia pessoa alguma que não tenha participado e, todas elas, estavam sensibilizadas para um problema que estava a crescer assustadoramente.
Na nossa sociedade o problema do racismo também está a crescer assustadoramente e, às vezes, por muitas campanhas que se façam o problema não se resolve ou, então, as pessoas lembram-se durante dois dias, mas ao terceiro já toda a gente se esqueceu.
Não devemos desvalorizar as pessoas que são diferentes de nós.
Muitas das vezes as pessoas que são vítimas de Racismo valem muito mais do que aquelas que são racistas. Mas podemos constatar que os negros conseguem recuperar seus direitos e buscam através do exercício da cidadania, a liberdade, a igualdade, a fraternidade e a dignidade plena.
Hoje em dia, vemos diversos negros influentes na política, no meio acadêmico, na literatura e na vida social. Não é o suficiente, mais é o começo do resgate da autonomia desses nossos irmãos, que durante sua historia, têm sido injustiçados sistematicamente.
O que é que importa se somos brancos ou negros, se somos ricos ou pobres, se temos roupa de marca ou não? Todas as pessoas têm diferentes personalidades, mas no fundo todos nós somos iguais.


Escrito por Larissa Cajano
Nº 24 – 2º A
E.E. Pedra de Carvalho

Matéria Publicada no Jornal Diário Regional

Sexta-feira , 16 de outubro de 2009Michele Coutinho
Escola de São Bernardo está abandonada
A Escola Estadual Professora Palmira Grassioto Ferreira da Silva, em São Bernardo, está em estado de abandono. Devido a problemas como falta d’água, os estudantes são frequentemente dispensados das aulas. Uma mina d’água no portão de entrada escorre por entre os alunos. “Esse problema já persiste há anos e a engenharia do Estado não consegue fazer a drenagem”, comentou o membro da subsede de São Bernardo do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) Aldo Santos.
A questão da higiene também preocupa. No local há apenas duas funcionárias de limpeza, quando o ideal seria pelo menos seis. Há duas semanas uma cobra foi encontrada na cozinha dos professores. O corpo de bombeiros foi acionado para levar o animal.
Qualidade do ensino
O 1º secretário da subsede de São Bernardo da Apeoesp, Bruno Assis de Oliveira, apontou que os problemas acabam refletindo na qualidade do ensino. “A culpa não é dos professores. A questão é que a escola não tem estrutura. A interrupção no abastecimento de água, por exemplo, ocorre em todo o bairro”, salientou. Segundo Oliveira, o piso da quadra está deteriorado e a cobertura, após ceder por falta de manutenção, não foi substituída.
Além disso, os portões do colégio permanecem abertos o dia inteiro, permitindo o livre acesso da comunidade. “Para usar o espaço temos de pedir licença. Essa situação é retrato do descaso por parte dos governos estadual e municipal, que não trabalham em conjunto para oferecer infraestrutura, saneamento ou alternativa de lazer”, lamentou.
O colégio funciona nos períodos da manhã, tarde e noite e atende mais de 1.700 alunos, da 5ª série ao ensino médio. “O estado da escola é deplorável. Só estudo aqui porque não tenho opção”, disse o estudante do 3º ano do ensino médio João Pedro Moreira Muniz.
A Secretaria de Estado da Educação informou que está prevista reforma no valor de R$570.498,98, ainda sem data para começar. Segundo a pasta, a falta de água aconteceu devido a problemas de vazamento e irregularidades na chave contadora da bomba, mas a questão já foi solucionada. Ainda conforme a secretaria, a cobertura da quadra foi desmontada porque a estrutura estava comprometida e em 2010 o local será novamente coberto. Quanto aos funcionários, no próximo dia 23 haverá escolha de profissionais para a unidade.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Preconceito

Embora esse assunto ainda seja pouco comentado, os preconceitos podem ser divididos em dois segmentos: um segmento é maléfico à sociedade e o outro benéfico. O segmento maléfico é constituído de preconceitos que resultam em injustiças, e que são baseados unicamente nas aparências e na empatia.
Já o segmento benéfico é constituído de preconceitos que estabelecem a prudência e são baseados em estatísticas reais, nos ensinamentos de Deus ou no instinto humano de auto-proteção.
Em geral, os preconceitos benéficos são contra doenças contagiosas, imoralidades, comportamentos degradantes, pessoas violentas, drogados, bêbados, más companhias, etc. Na verdade, é muito difícil definir o limite correto entre preconceito maléfico e preconceito benéfico. Por isso, a liberdade de interpretação pessoal deveria ser sempre respeitada.

É importante entendermos, também, que cultivar o amor ao próximo não significa exterminar preconceitos. Tentar destruir preconceitos à força é cultivar o paganismo e deixar entrar todo tipo de sujeira comportamental na nossa sociedade.
No paganismo, (atualmente disfarçado sob o título de “pluralismo” e “laicismo”) tudo é permitido e nada é considerado errado.
O medo é um preconceito dos nervos. E um preconceito, desfaz-se - basta a simples reflexão.' Machado de Assis.suzana fagundes

UM MUNDO MELHOR.

Se o Brasil é um país que não dá oportunidades aos negros sem uma pressão da lei, então que venha encorajar ,com leis rigorosas e conscientização,para que a comunidade conheça o direito social.
Porque todos têm o direito de ser incluindo na sociedade Brasileira.
Há um mundo de egoísmo que não aceita pessoas por causa da cor e das classes financeira.
Luta pelo poder de comandar o mundo , em detrimento das classes sociais.esquecendo que todos são iguais, todos tem os mesmo direito,mais já que ninguém liga muito pra isso que tenha Lei (multas, trabalhos comunitários) para quem não aceitar que os negros venha ser incluindo.
Mesmo que pra isso tenha que ter participação de mutirões para incluir os negros .porque o país esta provocando um grave problema para a sociedade fazendo isso,pois todos tem os mesmo conhecimentos e direito de viver na sociedade.
Então vamos mudar as atitudes, cada um pensando em si,vão pensar no próximo.
Fazer com que as nossas atitude mude, para um país melhor e que venha prevalecer decretos-lei, à qualquer momento, pois a prática do racismo constitui crime sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei.
Que o DECRETO N. 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940 e o Código Penal Venham ser mais rigorosos.Dayane n°8 Série2°A

No dia dos Professores , essa é a realida dos Mestres.

Uma cobra – isso mesmo, uma cobra! – foi encontrada na cozinha dos professores




Escrito por Aldo Santos
Sáb, 10 de Outubro de 2009 14:59

A Educação via de regra tem pautado os noticiários do mundo inteiro, ora chamando atenção sobre os avanços tecnológicos decorrentes das pesquisas e do domínio de novas tecnologias, ora, para pautar e expor as mazelas que sucessivos governos tem levado a falência da Educação mundial e em especial a Brasileira.Como professor da rede pública Estadual, freqüentemente tenho denunciado as precárias condições de trabalhos dos educadores do Estado de São Paulo, bem como as dificuldades porque passam os alunos nas mais variadas escola desse país.
Infelizmente, os governos tentam associar o fracasso da educação à atuação dos heróicos educadores que “carregam a Educação na cabeça e nas costas”. Tentam , mais não conseguem desconstruir do imaginário popular o papel de relevo que tem os educadores junto aos educandos e a comunidade aprendente. Corroborando com as nossas denúncias, a nota da APEOESP, subsede de São Bernardo do campo é oportuna, pois na qualidade de professor dessa unidade escolar ( EE. Palmira Grassioto ), não posso me omitir nem me calar diante do atroz abandono e discriminação para com uma comunidade localizada na periferia de uma Cidade que concentra uma arrecadação orçada em aproximadamente três bilhões ( São Bernardo do Campo) .É claro que a Escola em tela é de responsabilidade do governo do Estado, porém, se houvesse vontade política , o município poderia fazer gestão junto aos órgãos estaduais para proteger e assegurar as reais condições educacionais a população que pagam seus tributos a cidade . Esperamos que as autoridades resolvam urgentemente o problema apontado , uma vez que o abandono é de conhecimento público e nada justifica a omissão das autoridades diante de tais fatos: “Mais uma vez, a APEOESP-SBC utiliza-se de uma nota à imprensa para denunciar as décadas de abandono da Escola Estadual Professora Palmira Grassioto Ferreira da Silva. Provavelmente, nenhuma escola da rede estadual em São Bernardo do Campo expresse tão bem o estágio avançado de precarização do ensino público. Logo no estacionamento, moradores de rua estão freqüentemente deitados entre os carros. Ao lado, uma quadra cheia de buracos que passou por uma reforma há alguns anos atrás, inclusive com a criação de uma cobertura que veio abaixo depois de um longo período sem manutenção. Pichações cobrem a escola de cima a baixo em cada uma das salas, cadeiras e carteiras. Ao entrar no prédio, o chão se encontra permanentemente molhado por uma mina d’água. Por essa razão, o bolor domina parte da pintura tornando o ambiente ainda menos acolhedor.A sujeira é outro elemento que domina a escola. Duas funcionárias já de meia idade – num espaço que deveria contar com pelo menos seis – ficam na escola quase o dia inteiro para dar conta de mais de 15 salas por período. O recreio dos alunos ocorre num pátio sem ventilação e é dominado pelo cheiro de urina dos dois banheiros que ficam no mesmo espaço onde é distribuída a merenda.Como se não bastasse essa situação de completo abandono, toda a semana os alunos são dispensados antes do horário por falta d’água, curiosamente, a mesma que jorra da mina no chão sem cessar. Assim como ocorre na escola, o bairro todo passa dias sem água, nem mesmo para cozinhar.Na última segunda-feira, dia 06 de outubro, um fato novo mudou a rotina: uma cobra – isso mesmo, uma cobra! – foi encontrada na cozinha dos professores. Um professor se deparou com o animal peçonhento enquanto preparava sua refeição. O corpo de bombeiros teve que ser chamado para levar o animal.Enquanto tudo isso acontece, os governos Lula/PT, Serra/PSDB e Marinho/PT buscam responsabilizar os professores pela má qualidade da educação. Impõem uma avaliação por desempenho do magistério, limitam o número de faltas médicas, dizem não ao reajuste linear dos salários, mas não tomam nenhuma iniciativa para solucionar os problemas estruturais da educação brasileira!Todos esses fatos ilustram o desprezo pela vida de alunos, pais, professores, gestores e pelo ensino público, gratuito de qualidade. Uma situação que se estende por anos e que parece não ter mais fim... A escola Palmira Grassioto necessita urgentemente de uma nova reforma discutida e acompanhada pela comunidade escolar, da contratação de mais funcionários, condições de trabalho para todos os professores e funcionários, de segurança entre tantas outras demandas”.(nota pública da Subsede da APEOESP São Bernardo do Campo, 06 de outubro de 2009)Saudamos a APEOESP pela coragem e o compromisso ao lado do corpo docente e discente, e nos colocamos solidariamente junto a comunidade para que possamos pressionar os órgãos públicos para que solucionem definitivamente os problemas acima denunciados .
Denuncie você também, Afinal de contas , os governantes não fazem favor a ninguém, pois quem a paga a conta é a população contribuinte.
Respeitar o povo é preciso !!!
Aldo Santos
Sindicalista, Coordenador da Corrente Política TLS, Presidente da Associação dos Professores de Filosofia do Estado de São Paulo e membro da Executiva e Presidente do Psol SBC (09/10/09)
Publicado :Bem-vindo ao Em Rede!

O MUNDO DE SOFIA

Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam à Sofia quem é ela é de onde vem o mundo em que vivemos. Os postais foram mandados do Líbano, por um major desconhecido, para uma tal de Hilde Knag, um homem desconhecido.
O mistério dos bilhetes e dos postais é o ponto de partida, e conta toda a história da filosofia no ocidente - dos pré-socráticos aos pós-modernos.
Sofia Amundsen é uma garota de quatorze anos que vive na Noruega em 1990. Ela mora com sua mãe, o seu gato Sherekan, seu peixe-dourado e uma tartaruga. O seu pai é capitão de um navio petroleiro e fica fora a maior parte do ano.
A vida de Sofia se torna agitada quando ela recebe duas mensagens anônimas pela caixa de correio. Uma das mensagens era com a pergunta "Quem é você?" E a outra questionava "De onde vem o mundo?" Ela recebe também um cartão postal endereçado à "Hilde Møller Knag a/c Sofia Amundsen". A partir de então, ela entra no mundo da filosofia de pouco em pouco pela correspondência.
Através dessas comunicações misteriosas, Sofia se torna aluna de um filósofo, Alberto Knox. No começo ele é totalmente anônimo, mas conforme a história se desenrola ele revela cada vez mais sobre si. É ele quem escreve os papéis e os pacotes, mas não os cartões postais que endereçados de alguém chamado Albert Knag, um major de uma unidade das forças de manutenção da paz da ONU no Líbano.
Alberto ensina à Sofia sobre a história da filosofia. Ele revisa de uma forma que fosse de fácil compreensão o que é de mais importante desde os Pré-socráticos passando por Jean-Paul Sartre.
Ao longo das lições filosóficas, Sofia e Alberto tentam lograr o misterioso Albert Knag. Albert aparenta ter poderes parecidos com o de Deus, deixando Alberto irritado.
Sofia aprende filosofia medieval em uma igreja gótica com Alberto vestido como monge e aprende sobre Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir em um café francês. Várias questões filosóficas e métodos de raciocínio são postos diante de Sofia, enquanto ela se esforça para resolvê-los a sua maneira. Muitos dos pacotes filosóficos de Alberto são precedidos de perguntas diretas como "Por que o Lego é o brinquedo mais inteligente do mundo?"
Misturado às lições filosóficas, há um romance para adolescentes, no qual Sofia interage com sua mãe e suas amigas. Albert Knag continua a interferir na vida de Sofia e Alberto a ajuda a lutar contra isso ensinando a ela tudo o que ele sabe sobre filosofia. Essa, ele explica, é a única maneira de entender o mundo em que ela vive.
Tudo isso vem acompanhado de acontecimentos que parecem cientificamente impossíveis, como conseguir ver a própria imagem no espelho piscar com os dois olhos ou ver de verdade Sócrates e Platão. Por ser um livro baseado em filosofia, entretanto, promete (e cumpre) explicar tudo no final, quando Sofia e Alberto Knox escapam de Albert Knag.
A explicação é que Albert Knag é o autor de um livro chamado "O Mundo de Sofia", onde Sofia e Alberto são dois meros personagens. Ele dá esse livro à Hilde como presente de aniversário. O autor faz com que seus personagens tomem consciência de sua condição e baseado em conhecimentos filosóficos Sofia e Alberto são capazes de transcender a própria realidade do "autor". "O mundo de Sofia" é um exemplo de metaficção.Eric Eidy Hirose Haraguchi .

Guerra do Fogo

O filme trata de dois grupos de hominídeos pré-históricos: um que cultuava o fogo como algo sobrenatural e outro que dominava a tecnologia de fazer o fogo. Em termos de linguagem, o primeiro não está muito longe dos demais primatas, emitindo gritos e grunhidos. Esse tipo de comunicação parece ser a primeira manifestação de linguagem do homem, que é a expressão de suas paixões, como a dor e o prazer.
Já o segundo grupo parece ter uma comunicação mais complexa, com maior número de sons articulados. Há outros elementos culturais, como habitações e ritos, mostrando um grau de evolução maior que o do segundo grupo.
No que envolve apenas à questão da linguagem, uma possível interpretação seria a seguinte: em um determinado estágio de sua evolução, o homem, já se locomovendo como bípede e tendo suas mãos livres, aprendeu a manipular instrumentos, a interferir no seu meio e a fazer o fogo entre outras coisas.
A necessidade de preservação desse conhecimento fez com que se adaptassem e se sofisticassem a sua capacidade de comunicação. No começo seu meio de comunicação era por meio de gestos e sons, porém descobriu que os sons poderiam ter outra função e utilidade. Assim como, ao tornarem-se Homo Erectus viu-se com as mãos livres (antes usadas principalmente na locomoção) e descobriu que poderia usá-las para manipular as coisas; assim como, ao tornar-se Homo Sapiens descobriu que poderia usar essa capacidade de manipulação para interferir no seu meio; da mesma forma, descobriu que os órgãos utilizados para funções vitais como a respiração e a digestão, também serviam para emitir sons.
A partir do momento em que aprendeu a diversificar os sons através das articulações, conseguiu aumentar as possibilidades de combinação entre eles. Uma vez estabelecidas determinadas convenções entre os seus semelhantes, possibilitou-se a troca de informações (como a tecnologia de fazer o fogo) de um indivíduo para o outro. A sofisticação da linguagem serviu para facilitar a forma de comunicação entre eles, coisas que talvez apenas gestos e sons não fossem capazes de expressar.Resumo de Eric Eidy Hirose Haraguchi .

O Pré-sal e suas Funcões.

"O pré-sal e uma camada abaixo do subsolo encontrado recentemente.
O pré-sal é uma reserva de petróleo,só que a lei do petróleo permite a retirada por empresas estrangeiras, infelizmente; nós precisamos reverter toda essa situação para não sermos prejudicados no futuro. O Movimento Popular organizado passando um abaixo assinado para mudar essa lei que permite que empresas estrangeiras explorem nossas riquezas.
Essa lei e a lei 9478 aprovada pelo então presidente da republica Fernando Henrique Cardoso (FHC) em 1997 A Petrobras descobriu uma fonte de petróleo que vai de Santa Catarina ate o Espírito Santo.
O Brasil descobriu o pré sal numa hora certa com aparecimento da crise de energia , e essa descoberta pode colocar o Brasil entre os maiores produtores exportadores de petróleo do mundo,mas isso pode acontecer se mudar a lei que FHC deixou. Se o governo reestatizar a Petrobras será de grande importância para a economia brasileira, porque o petróleo é nosso, se isso acontecer, seremos o 2º maior produtor mundial perdendo apenas para a Arábia Saudita. O projeto de lei de iniciativa popular pretende defender a mudança da lei que permite que empresas estrangeiras explorem nosso petróleo. Se a lei não mudar, as multinacionais continuarão a tirar o petróleo do Brasil e pagar quase nada pelo petróleo, por isso , devemos mudar a lei o mais rápido o possível para reverter essa situação desagradável.
Agora eles querem criar uma nova estatal chamada petrosal; que na exploração do petróleo do pré-sal as empresas privadas terão que ter um contrato com a Petrobras garantindo no mínimo 30% do petróleo para a mesma.
Isso quer dizer que 70% do petróleo do petróleo do pré sal será explorado por empresas privadas ; que nas bacias fora do pré-sal as empresas podem continuar a explorar 100% do petróleo ,como tem ocorrido em sucessivos leilões autorizados pela ANP(Agencia Nacional do Petróleo).
Hoje o governo tem o controle administrativo da Petrobras, porém os lucros são divididos:32,2% para o governo federal; 30,5%para acionistas via bolsa de Nova York;19,3% para BNDESpar;2,0% FGTS-petrobras .
Isso e uma vergonha para um país do porte e da grandeza do Brasil. Segundo um velho ditado popular “mais vale um na Mão do que dois voando”, o Brasil não esta seguindo esse ditado popular,na prática,pois se continuar assim o Brasil pode sofrer graves conseqüências econômicas, mesmo se continuar crescendo no geral”. DADOS BIBLIOGRÁFICOS: COMITÉ DO PRÉ SAL; p.1e2, OPOSIÇÃO ALTELNATIVA APEOESP,p.2 .Geison Mariano,3A

Pré-Sal-O Futuro do País.

Pré Sal é o nome dado às reservas de Petróleo encontradas abaixo de uma enorme camada de sal no subsolo marítimo, muito profundo. O petróleo encontrado na camada do pré sal é considerado de alta qualidade .
Estimam que além do petróleo já descoberto ainda existam muitos milhões de barris espalhados pelo território brasileiro.
A extração do pré sal é complicada e cara, é necessário muita tecnologia e a Petrobras afirma já possuir esses recursos, porém pretende aumentá-los para que haja melhor rentabilidade.
É um grande investimento do nosso país, mas há uma serie de complicações, uma delas diz respeito ao ritmo de extração do petróleo, que pode tanto esgotar em gerações futuras quanto enfraquecer os setores econômicos do país que dependem diretamente do ritmo de exploração e importação.
O governo brasileiro pretende criar uma nova empresa estatal, a "Petrosal", que irá administrar a extração nos campos de petróleo e contratar empresas de exploração - isso porque os custos de exploração e extração são altíssimos. Existem diversas opiniões sobre essa idéia de nova empresa, críticos julgam ser um equívoco do país, pois pretendem contratar empresas estrangeiras para a exploração, outros acham que será um grande passo para a economia.
O governo divulgou que os lucros com o petróleo serão investidos nas áreas sociais, em especial na educação - área bastante defasada para um país em constante crescimento. Acredito que será uma boa saída, um investimento com retornos possivelmente satisfatórios, pois um país com uma população "educada", orientada e qualificada, tende a crescer ainda mais.
A verdade é que realmente a descoberta de novas reservas de petróleo irá mexer com a economia, só resta o governo saber administrar de maneira que dê muitos benefícios à economia do Brasil.Shara Louise da Silva, n° 29 - 3°B

Como incluir os negros na Sociedade?

Um mundo em que a cada dia temos gerações diferentes, mudam as pessoas e permanecem as atitudes! Enquanto se achar for mais importante que amar o mundo continuará igual, mas, de quem será a culpa ?dos brancos que em suas mentes se acham melhores, ou dos negros que se reprimem e não tentam mudar suas atitudes ? Um preconceito bobo que começou por "besteira" e até hoje continuou, será que isso vai continuar eternamente ? Quando todos vão colocar em suas mentes de que somos capazes, somos iguais, somos seres humanos...
Quando isso acontecer, talvez mudaremos algumas atitudes, mas nunca mudaremos o que realmente esta no coração.... Os negros já estão inclusos na sociedade só falta estar incluso nas mentes das pessoas e nas mentes deles mesmos..... Bruna Ramalho. nº 2 , 2ºa

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Aspectos importantes do Pré-Sal.

Apenas com a descoberta dos três primeiros campos do pré-sal, Tupi, Iara e Parque das Baleias as reservas brasileiras comprovadas, que eram de 14 bilhões de barris, aumentaram para 33 bilhões de barris. Além destas existem reservas possíveis e prováveis de 50 a 100 bilhões de barris.A descoberta do petróleo nas camadas de rochas localizadas abaixo das camadas de sal só foi possível devido ao desenvolvimento de novas tecnologias como a sísmica 3D e sísmica 4D, de exploração oceanográfica, mas também de técnicas avançadas de perfuração do leito marinho, sob até 2km de lâmina d'agua.O pré-sal está localizado além da área considerada como mar territorial brasileiro, no Atlântico Sul, mas dentro da região considerada Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil. É possível que novas reservas do pré-sal sejam encontradas ainda mais distantes do litoral brasileiro, fora da ZEE, mas ainda na área da plataforma continental, o que permitiria ao Brasil reinvidicar exclusividade sobre futuras novas áreas próximas. Vale lembrar que alguns países nunca assinaram a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar e alguns dos que o fizeram, não ratificaram o tratado. Nome:Victor Hugo N° 35, Serie:3°B